O que é mais barato, montar um consultório ou uma clínica odontológica?

8 minutos para ler

Apesar do amor à profissão, todo dentista sabe que a competição na área é enorme. Segundo dados do Conselho Federal de Odontologia, 19% dos dentistas do mundo estão no Brasil. Dessa forma, não basta investimento para se dar bem na profissão, é preciso estratégia de negócios e isso não é algo que as Faculdades de Odontologia ensinam.

A maioria dos profissionais, quando se forma, vai trabalhar atendendo em consultórios já consolidados para “pegar mão”, mas o sonho de ter um negócio próprio continua sempre no horizonte. Apesar da ideia do negócio próprio sempre vir a mente, não é fácil escolher um caminho a seguir, tamanha a quantidade de opções que o mercado oferece.

Para ajudar você, dentista que está nesse impasse, listamos algumas dicas para mostrar os custos médios para os dois modelos de negócio nesse segmento: uma clínica ou um consultório particular.

Com certeza dentro de você a resposta dada foi consultório, certo? Porém, será que o investimento para abrir o próprio consultório é tão menor do que abrir uma clínica? Veremos!

Quais as diferenças entre consultório e clínica odontológica?

Existem algumas diferenças importantes a se considerar sobre o consultório e a clínica odontológica. O primeiro, como o próprio nome explica, é voltado especialmente para as consultas individuais, enquanto a clínica não tem foco apenas no atendimento.

Em muitos casos, os consultórios se dedicam a diversos procedimentos odontológicos, como profilaxia, visitas de rotina, diagnósticos e até pequenas cirurgias, mas isso não é, necessariamente uma regra. No geral, o dentista que atua nesse tipo de ambiente está pronto para consultar, pedir exames e ouvir os sintomas de sua carteira de pacientes.

As clínicas, por outro lado, estão aptas a oferecer mais serviços, exigindo uma infraestrutura mais sofisticada. Nelas, é possível realizar exames, cirurgias e outros procedimentos mais complexos ou de emergência, além de reunir um maior número de profissionais trabalhando no mesmo espaço.

O que eu preciso comprar para montar consultório odontológico?

consultório ou clínica odontológica

Para montar um consultório, você precisará de muito mais do que uma cadeira, escrivaninha e móveis. Terá que investir na infraestrutura como um todo para o negócio funcionar bem.

Alugar uma sala, reformar o espaço para deixá-lo adequado às necessidades de um consultório, contratar uma secretária, comprar equipamentos como compressor e computador, contratar um software para agendamento de consultas, reservar um espaço para esterilização e material contaminado, além de correr atrás de bons parceiros e fornecedores são algumas das suas principais tarefas.

De olho nessa necessidade, já existem empresas que cuidam de toda essa parte. Por exemplo, o site Meu Consultório se dedica a auxiliar na montagem do seu espaço desde o projeto até a execução, incluindo o financiamento de tudo. Para um consultório de 40 m2, por exemplo, você encontra parcelamentos que partem de 60 vezes.

Segundo as orientações do Sebrae, o primeiro passo para montar um negócio é calcular o investimento inicial. Isso nós já fizemos, certo? A partir disso é que começamos a calcular o Capital de Giro, que é o montante de necessário em caixa para honrar os pagamentos futuros — aluguel, fornecedores, impostos etc. Assim, para montar um consultório pequeno seu investimento será de aproximadamente R$ 250 mil.

Se for trabalhar sozinho, você não pode esquecer que terá outras tarefas além de atender. Você precisará entender um pouco de todo universo que envolve seu negócio — captação de clientes, administração e recursos humanos. Além disso, o Sebrae ainda orienta que você:

  • esteja em constante aperfeiçoamento, tanto na parte técnica, como na parte gerencial;
  • participe de eventos do setor;
  • conheça bem o perfil dos pacientes;
  • aperfeiçoe constantemente o atendimento e capacite seus funcionários.

O que acontece se eu optar por montar uma clínica odontológica, qual a diferença?

Apesar de uma estrutura menor, para montar um consultório você passará pelo mesmo processo burocrático de montar uma clínica. Além de todas as licenças, terá custos fixos como: aluguel, colaboradores, marketing e o valor “economizado” na compra de móveis e equipamentos, será gasto para manter o negócio funcionando.

Se não aumentar a oferta de horários e serviços, provavelmente o seu Capital de Giro terá que ser maior, porque você levará mais tempo para formar uma carteira de clientes suficientes para manter a clínica. Em média, uma clínica leva de três a cinco anos para se consolidar no mercado.

Vamos dar um exemplo de como funciona na prática: vamos supor que a secretária custe cerca de R$ 1.500,00 por mês. Se trabalhar sozinho, você terá de arcar com o valor tendo ou não pacientes. Se você optar por montar uma clínica, poderá diluir os custos entre todos os profissionais que atendem o espaço. O valor será o mesmo se administrar somente seus horários ou o de mais dentistas. Então, que tal dividir os custos?

Ter colegas em outras especialidades também é uma forma interessante para captar pacientes. Você aumenta a gama de serviços e o valor agregado do seu negócio. Pense nisso!

Outro ponto importante que deve ser considerado quando for montar o consultório ou clínica é na força do atacado. Sozinho, provavelmente será mais difícil conseguir uma boa negociação para compra de material. Por exemplo, comprar luvas para um só dentista provavelmente será mais caro do que comprar para uma porção de profissionais.

Montamos abaixo um quadro que mostra quais custos são individuais e quais podem ser divididos:

Custos Individuais Custos Compartilhados

  • cadeira odontológica de aluguel;
  • kit de alta e baixa rotação;
  • secretária;
  • fotopolimerizador para coleta de resíduos;
  • negatoscópio de Raio X;
  • aparelho de sucção compressor;
  • equipamento para profilaxia autoclave.

Embora um consultório pareça ser a melhor opção em termos de custos, você como profissional e empreendedor precisará avaliar os custos e benefícios para fazer a melhor escolha para o seu caso e optar se investirá em um consultório ou clínica odontológica.

Quais são as taxas e a documentação que preciso?

Você só poderá atuar em seu negócio (seja ele um consultório, seja uma clínica) com a sua formalização legal. Esse processo pode ser burocrático, pois exige a análise e registro de vários órgãos públicos. É muito importante consultar o CRO (Conselho Regional de Odontologia) de sua região para entender melhor quais documentos são indispensáveis.

No geral, o empreendedor devera seguir os seguintes passos:

  1. realizar o registro de seu novo negócio nos órgãos necessários (como a Prefeitura e CRO);
  2. obter alvará e licença sanitária necessária para o funcionamento;
  3. realizar o Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde;
  4. consulta de situação fiscal (pretende buscar pendências registradas em nome do empreendedor e seus sócios, além de verificar o enquadramento das atividades da empresa).

Entre essas etapas que mencionamos, o dono do consultório, ou clínica, terá de arcar com algumas taxas relacionadas a obtenção dos laudos ou licenças listadas abaixo:

  1. laudo AVCB (de Vistoria do Corpo de Bombeiros);
  2. laudo radiométrico (caso o local faça uso de aparelhos de raio-x);
  3. licença provida pela Vigilância Sanitária;
  4. alvará da Prefeitura;
  5. taxa de pesquisa de viabilidade (normalmente cobrada pela Prefeitura para verificar se o imóvel no qual a empresa se instala é autorizado para a execução das atividades propostas);
  6. certificação da LIMPURB (específico para a coleta dos resíduos descartados, que não podem se misturar com os residenciais).

Sendo assim, os principais documentos obrigatórios são o Registro profissional (CRO) do dentista, cadastro da Vigilância Sanitária Municipal, ISSQN, Licença Ambiental e Cadastro na Prefeitura Municipal, além dos laudos e certificações que apresentamos acima.

Vale lembrar que, para alcançar o sucesso com seu consultório ou clínica odontológica, não é preciso apenas saber administrá-la ou analisar seus custos. O planejamento é essencial em todas as tomadas de decisão, até mesmo no momento de escolha do tipo de estabelecimento em que você deseja atuar.

E aí? Conseguimos ajudar a esclarecer suas dúvidas? Caso ainda se sinta indeciso, mas ainda não quer deixar de empreender, está na hora de conhecer mais um modelo: as franquias. Leia o nosso post para aprender mais sobre ele e saber quanto custa uma franquia. Quem sabe essa opção não é a ideal para você?

Guia do empreendedor: saiba o que considerar antes de começar um negócio de franquiaPowered by Rock Convert
Posts relacionados

Deixe um comentário